terça-feira, 1 de novembro de 2011

A ALIANÇA. De Bastos Tigre

Aliança! Algema divina.
A mais doce das prisões
Uma prisão pequenina
Que encerra dois corações.
Modesta jóia, em verdade.
Porém, que vale um tesouro,
E toda a felicidade
Dentro de um círculo de ouro.
Na mão direita figura
Como penhor de afeição;
Mas é completa a ventura
Se muda para a outra mão.
Rodinha frágil e fina,
Que mais parece um brinquedo,
Com ela qualquer menina
Prende um rapaz pelo dedo.
Elo solto da corrente
Que Deus forjou, de amor puro,
E que através do presente,
Liga o passado ao futuro.
Elo de ouro! És a esperança
De horas risonhas e calmas!
Felizes dos que, na aliança
Acham a aliança das almas.
Na velhice lembra o enredo
Dos sonhos da mocidade;
Depois... duas num só dedo;
Uma vive... outra é SAUDADE...(Poesia declamada por um pastor, na celebração de casamento de Ticiana e Ulissis, ocorrida em 30 de outubro de 2010)

4 comentários:

  1. Linda poesia, quando eu era noiva de meu esposo ele a enviou me junto a uma carta de amor, e depois eu a gravei com o fundo da música uma canção para VILMA. ficou lindoooo. Guardo até hoje as cartas de amor que recebia e as que eu enviava para ele, mais de 300 cartas. Grande paixão, 43 anos de casados. Daniel e Iraídes.

    ResponderExcluir