quinta-feira, 23 de abril de 2015

PÁTRIA AMADA, SALVE SALVE!


Corrupção, do latim corruptus, significa quebrado em pedaços, definida na legislação como crime. Vivencia-se, talvez, a maior crise política dos últimos tempos, estando os ilícitos indicados em inquérito judicial.
Pesquisa sobre sistemas de ensino no mundo, Economist Intelligence Unit, registra o Brasil em penúltimo lugar em ranking sobre a qualidade da educação, em dados de 2013. A Finlândia e Coréia do Sul aparecem em primeiros lugares; o Brasil e a Indonésia em últimos lugares.  No último relatório elaborado pela UNESCO,  acerca do índice de desenvolvimento da Educação, o Brasil aparece na  88ª posição, muito aquém de Argentina, Uruguai e Chile.
O detalhe é que quanto mais instruído o povo, tanto mais difícil de o governar(provérbio Taoista), demonstrando não ser prioridade a educação popular em nossa Nação, esta que é gigante pela própria natureza”.
A taxa de desemprego iniciou 2015 em alta, alcançando o maior índice desde setembro de 2013 (IBGE). Para demonstrar a dificuldade por que passa não somente o mercado, mas também a classe média, a poupança registrou o maior índice de saques, desde janeiro de 1995 (Banco Central do Brasil). Tal fato se deve à elevada taxa de juros, segundo informação oficial, tudo em decorrência de a Alta Cúpula Governamental encontrar-se, gerencialmente falando, deitada “eternamente em berço esplêndido.”
Mas tal crise é esperada de um Estado em que os Presidentes do Senado e Câmara são indiciados por crime de corrupção, sendo utopia pensar ser da intenção do Corpo Diretivo Maior a adoção de política que favoreça a educação do povo ou mesmo a criação de emprego e renda. Aliás, o mais incrível, além do volume excessivo de dinheiro objeto dos crimes e da dimensão que o nível da corrupção tomou, é o fato de os citados congressistas ainda continuam no exercício dos cargos de Presidente das citadas Casas Legislativas. No mínimo já deveria ter havido, relativamente a ambos, ou o afastamento espontâneo (utopia), ou a determinação de afastamento por parte de seus pares. São políticos que embora possuam legitimidade para o exercício da função, porque foram eleitos, podem não deter credibilidade, em virtude da ética em condutas, esta (ética) existente, de acordo com Aristóteles, para realizar a “felicidade (eudaimonia), que não consiste nem nos prazeres, nem nas riquezas, nem nas honras, mas numa vida virtuosa.” (Vasconcelos, V. V. Apontamentos sobre a Ética a Nicômaco, de Aristóteles. Universidade Federal de Minas Gerais, 2002).
É esperar que a Justiça realize seu papel, impondo a pena devida aos provadamente culpados, uma vez que se ergues da justiça a clava forte, verás que um filho teu não foge à luta.” E assim segue o povo, assistindo a mais e mais atos de corrupção, sem se falar do que ainda não veio à tona, e do que nunca virá. “Ó pátria amada, idolatrada, salve salve!”
(Rodrigo Ribeiro Cavalcante. Jornal O Estado, p. 9. Edição de 23 de abril de 2015)

Nenhum comentário:

Postar um comentário