quarta-feira, 18 de abril de 2018

A CIÊNCIA E A VIOLÊNCIA


Chacinas em Fortaleza têm levado o Governo local a nocautes, tendo-se, no Rio de Janeiro, implementa medidas de combate ao crime via decreto interventivo, via ações para o que haverá alguns meses para resultados. Não é fácil gerir um Estado da Federação, sendo seríssimo o nível de insegurança por que passa o Ceará. Os entendidos podem falar melhor sobre. No entanto, já há a sensação de que do que se fizer, nada passará de ajustes paliativos. Isso porque o Governo Federal vem adotando uma política que apenas trará o aumento da criminalidade em nível nacional.
Fala-se do estudo intitulado “Trajetórias Individuais, Criminalidade e o Papel da Educação”, realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, em que se mostrou estar a política preventiva e efetiva de segurança pública vinculada diretamente à educação (http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2016-09/ipea-educacao-e-instrumento-para-afastar-jovens-da-trajetoria-de-crimes). E o que faz a gestão-Temer? Cortou em 19% o orçamento destinado à ciência e educação, para 2018. Para 2017, houve um corte de 44%. Tais reduções levam a produção científica a um "estado terminal”, conforme afirmou Luiz Davidovich, presidente da Academia Brasileira de Ciências. E aqui se detecta o problema para a segurança pública: um povo sem educação e um país sem pesquisa, o resultado é o acirramento do nível de miserabilidade e a disseminação do crime.
O Brasil precisa de ajustes, inclusive da ordem financeira. Mas sem reduzir em uma área tão sensível (educação), a qual, de seus resultados positivos, será possível proporcionar segurança à população.
Enquanto no comando estiverem gestores despreocupados com a educação do povo, os chefes do crime terão dois grandes insumos: droga e gente para trabalhar para a desordem. A partir do momento em que se despertar para a imprescindibilidade de se aportar mais recursos em pesquisas, até aqueles que se alimentam do ilícito terão a percepção de que será melhor o trilho reto. A intervenção, e o que mais vier para controlar o ilícito, será ajuste momentâneo  para a resolução dessa guerra destrutiva de famílias inocentes [Rodrigo Ribeiro Cavalcante. Artigo publicado no Jornal Diário do Nordeste, edição de 14/15 de abril de 2018, p. 2]

Nenhum comentário:

Postar um comentário