domingo, 12 de maio de 2019

Vastidão de amor


[Microconto]
Vastidão de amor
De Rodrigo Ribeiro Cavalcante
–Venha dormir.
–Já?
–Já. É hora.
O amor se permeia em ciclos. Lembro de comentários de minha mãe, querendo saber, e verbalizando, algum sentimento partido de mim, criança: “O que ela está pensando!” Isso ao me admirar, parados, ela e eu, na hora de dormir. Nesse momento, o filho busca o sono; a mãe o admira, tentando até descobrir o que há ali, de pensamentos. É tanto amor que até querer saber o que existe de reflexão na mente pueril passa a ser rotina. Mãe é mãe! Hoje consigo enxergar a significação para tal contemplação em comentário, ainda que no juízo dela, verbalizado só para mim: amor, muito amor! Porque sinto exatamente o mesmo, ao olhar atenta e admiradamente para minha filha, eu e ela parados, para dormir. Sentimento que alguém só conhece quando se vê protetor. É o que me ocorre nestes tempos presentes. Algo que não existe de lá para cá, na intensidade de que falo. Um dia ela vai entender. E poderá lembrar-se de mim, espero. Aquele amor em mim despachado outrora, faço-o hoje, da mesma forma, mas com a consciência de que há ali um olhinho vivo, que dispara em mim um sentimento de admiração, um deslumbre, um orgulho e, especialmente: uma vastidão de amor. Até a hora em que, repetindo o que eu não ouvi, um dia bem tempo atrás, disparo em voz só para eu escutar e sentir: “Ela dormiu!”

Nenhum comentário:

Postar um comentário